.

.

17 de jul de 2012

Rosane Collor e a hipocrisia nossa de cada dia

Muita gente detonou a Rosane Collor por sua entrevista no Fantástico. Eu teria também minhas críticas a fazer, mas por hora prefiro lamentar a hipocrisia manifestada em grande parte dos críticos.

Achei ridículo quando disseram que ela não teria direito de reclamar dos R$ 18.000,00 que recebe de pensão porque "há milhões de brasileiros passando fome ou vivendo com um salário mínimo." E isso lá é argumento?

Eu ficaria felicíssima se meu salário fosse 18.000,00 reais. Assim como o porteiro do meu prédio ficaria felicíssimo se recebesse um salário como o meu. E o desempregado ficaria felicíssimo com um emprego de porteiro.  E daí?  Todos tem que ficar calados em respeito aos famintos?

Eu estou há anos sem reajuste salarial e ficaria muito irada se o Governo viesse esfregar na minha cara os "milhões ganhando salário mínimo".  Não tem nada a ver, são realidades distintas e uma injustiça não justifica outra.  

Cada um se mede pelos seus iguais ou por quem se aproxima do seu padrão. Claro. Não vou me medir pela África nem pela pensão que o Eike Batista me pagaria se fosse meu ex-marido. Se você recebe uma pensão de 1.000 reais e descobre que suas amigas recebem o triplo de seus ex-maridos, quero saber se você iria deixar de questionar o valor em juízo só porque tem gente vivendo no lixão.

Particularmente sou contra essa indústria das pensões. Não estou defendendo a "vida mansa". Acho que uma pessoa que se separa tem mais é que batalhar para ganhar seu próprio sustento e não viver de flozor às custas de ninguem. A não ser que tenha problema de saúde ou que a idade a torne inviável para o mercado de trabalho. Mas sejamos justos: uma vez determinada a pensão pela justiça, o valor tem que estar dentro de certos parâmetros. O Collor é rico (eu acho) e talvez esses 18.000 que a Rosane recebe sejam mesmo um escárnio.

Seja sincero: se você estivesse no lugar dela, você se compararia com os miseráveis do mundo ou com as pessoas com as quais convive? Já pensou se você fosse requerer aumento salarial e recebesse um "não" baseado na miséria do mundo? Há muitas mulheres por aí que vivem de pensão e, proporcionalmente ao que o ex-marido ganha talvez recebam muito mais do que os 18.000 da Rosane. E estão aí, criticando.

Não aplaudo a Rosane. Acho que ela tinha mais era que trabalhar. E foi uma tremenda burrice abrir a boca para falar em valores em um país como o nosso, cheio de miseráveis e de invejosos.  E também ficou claro que ela só queria promover seu livro pra ganhar uns trocados a mais, mas nada disso invalida o que eu disse.

Menos hipocrisia, gente!

Postar um comentário