.

.

31 de dez de 2011

"CACHÃO"

Festa de Ano Novo é a festa de aniversário de todo mundo. Todo mundo completou mais um ano de vida, todo mundo "chegou lá", está de parabéns, merece abraços e vai comemorar até os pés crescerem em bolhas.

Essa sensação de unidade é a coisa mais fofa do Ano Novo. Estarmos sob o mesmo mesmo guarda-chuvas  é justamente o que nos eleva; não somos mais apenas seres pensantes, mas seres "sentinte e irmanantes". Seres gigantes.

Um "aniversarião":  quer coisa mais democrática?

Tive desilusões? Ele também
Tive dívidas? Ele também?
Sonhei? Ele também!
Realizei? Ele também.
Quebrei a cara? Pois ele também.
E por aí vai.

No Ano Novo todo mundo parece estar no mesmo barco e é isso o que nos leva a abraçar, beijar, chorar no ombro: a certeza de que não passamos de um imenso cacho de uvas.

Sim, no Ano Novo ninguém reclama de dividir o aniversário com ninguém. É legal dividir e não ser sozinha o centro das atenções. O centro das atenções é o gênero humano. É a NOSSA FESTA.

Seria maravilhoso se esse sentimento de "CACHÃO DE UVAS" permanecesse para sempre. Por quê em 31 de dezembro isso é simples e  natural mas no resto do ano parece ser tão contrário à natureza?

Bem, esse é o meu jeito-desajeitado de dizer o mesmo que Johnn Donne disse:


“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”. 



Então desejo a todos nós um 2012 bem  CACHÃO!
Postar um comentário