18/04/2014

Patetas claudicantes e suas contradições

Não sei se vocês já notaram que há uma enorme contradição em acariciarmos a ideia de que "não existe certo nem errado, tudo é relativo" e ao mesmo tempo queremos justiça. Porque a justiça bebe justamente dessa água: existe sim o bem e o mal.

Justiça pressupõe firmeza. É necessário que saibamos a diferença entre o que presa e o que não presta, entre o que é aceitável e o que não é. Entenda: é impossível julgar sem julgar. É impossível incentivarmos o bom comportamento ou bloqueamos o mal se não admitimos sequer que eles existam.  Se um dia eu for surrada, roubada, desrespeitada, vou querer que o Juiz saiba muito bem o que é certo e o que é errado.

É estranho que tenhamos plantado a semente do "não-existe-certo-nem-errado" e depois nos assustemos com jovens que queimam índios. Não pode queimar? Por que? Era ruim para o índio mas era divertido pra eles!   Ensinamos que não existe nada realmente mal como os velhos diziam... aí depois queremos que nosso povo seja justo, respeitador, coerente, humano.  Por que seriam?  Eles aprendem rapidinho a se escorar em perguntinhas cínicas ("mas o que é justiça? responsabilidade? coerência?  humanidade? São conceitos relativos!").

Sim, tudo é relativo quando é "no dos outros". Quando é "no nosso" a coisa é sempre absoluta, já reparou?

Ao educar uma criança precisamos passar-lhe conceitos firmes. Se não os temos, deveríamos ser proibidos de ter crianças sob nossa responsabilidade. Uma criança percebe bem cedo quando não passamos de patetas claudicantes.

Se não sabemos o que é certo ou errado, não temos como afirmar que é mesmo muito feio largar um tapa na cara da titia. "Feio por quê?"  "Mas o que é feio ou bonito, afinal?"  "Em qual cultura?" "Algumas pessoas apreciam levar tapas"  Tem certeza de que esses conceitos são seus mesmo? ou será que foram impostos pelo poder instituído e a moral vigente? e bla-bla bla."     (Não aguento quem tenta se esquivar de uma discussão séria com essas frases de algibeira.)

Espero que vocês entendam que não estou contradizendo Einstein  nem falando mal da Filosofia. Pelo contrário: falta filosofia nesse mundo não-pensante. O que detesto é a moda de querer usar a teoria da relatividade de forma cínica.  Como vemos gente irresponsável, nociva e mal caráter achando que se consegue se justificar vestindo essa folha de parreira furada!

Todos sabemos que o conceito de bem e mal é relativo e a discussão antiquíssima, só que uma coisa é o exercício intelectual dessas questões e outra bem diferente é vivermos em sociedade e precisarmos de parâmetros de convivência. Uma coisa é admitirmos que uma coisa considerada má para uns pode ser considerada boa para outros; outra coisa bem diferente é concluir que por isso não existe nada realmente mau no mundo.

Discussões filosóficas são muito boas mas quando estamos sendo oprimidos o que queremos é solução. Não quero que nenhum agressor se sinta confortável e amparado pela nossa frouxura.

E quanto ao bem e o mal, tem mais:  se nenhum filósofo chegou ainda ao fim da discussão, por que deveríamos bombardear nossas crianças com a ideia de que talvez nada seja errado?  Porque permitir que isso saia do campo das idéias e se torne uma nova base para atitudes discutíveis? Por que deveríamos cooperar para que todas as nossas más inclinações encontrem um afago?

Se você é daqueles que "vencem discussões" recitando o mantra safado do "não existe certo nem errado, bem nem mal",   aguente bem caladinho quando estacionarem na sua garagem, quando lhe venderem mercadoria deteriorada, quando você descobrir que seu pai nem estava morto quando lhe retiraram o rim para abastecer o tráfico de órgãos. Considere que a sua angústia representa a felicidade de quem vai receber o rim!  Por uma questão de coerência você não deve reclamar. Não dê trabalho ao judiciário nem quando seu filho perder a vaga na faculdade porque um "esperto" comprou a  vaga dele, quando o síndico roubou todo o dinheiro do condomínio ou quando seu chefe trata você como capacho. Reclamar por quê, se quem fez isso pode ter agindo certo, afinal de contas? Aplauda, faça o mesmo e viva o inferno!

Prefiro ajudar a construir um mundo onde as pessoas acreditam na distinção entre o bem e o mal.  É verdade que nem sempre essa distinção é simples. Algumas situações são realmente complexas, mas as pessoas de bem continuarão tentando entender e a buscar o bem.

O Brasil vai muito mal justamente por causa de teorias capengas aceitas por abestados metidos a intelectuais.  Debaixo dessa tenda há muita, mas muita erva daninha.

14/04/2014

NÃO SOMOS UM POVO LIVRE


NÃO SOMOS LIVRES. Essa tem sido uma descoberta dolorosa.

Hoje entendo porque Cuba proíbe seus cidadãos de "passarem um pano" em outros países. . Eles tem razão, é arriscado mesmo. O choque da descoberta pode levar à revolta. Pra que arriscar?.

Sair abre a mente e nos leva a perceber que o governo nos engana com migalhas. É como passar a vida comendo estrume e se assustar quando descobre que os outros tem coisa muito melhor.

Sair do Brasil é muito doloroso. A gente tira foto, ri, compra bugiganga... mas lá dentro o coração dói e uma pergunta persistente martela em nossa cabeça: "Como eles conseguiram construir uma sociedade assim mas a gente não consegue tirar o pé do barro?!"

Machuca.

Qualidade de vida não é morar num palácio nem ter carrão. Aqui no Brasil tem muita gente com carrão e morando em imóveis invejáveis, mas tem que se esconder em guetos, gastar uma nota com segurança particular, não podem simplesmente caminhar pelas ruas, vivem com pavor de sequestros.  Qualidade de vida não é morar em casa grande, mas em casa sem grade. Não é ter seu pára-brisa lavado em cada esquina: é poder rejeitar o serviço sem ser agredido, marcado  ou ameaçado. Não é ter carrão: é ter liberdade de abrir mão do carro para ir trabalhar de bicicleta sem pânico. Qualidade de vida não é andar com muito dinheiro no bolso: é poder andar sem dinheiro no bolso e não ter medo de ser espancado pelo assaltando por isso.  Qualidade de vida não poder ter jóias: é não ter medo de usá-las. Não é ter um notebook; é poder usá-lo ao ar livre.

Liberdade não é poder ler qualquer  jornal: é poder publicar no jornal a sua opinião sem ser apedrejado.

Dá um nó na garganta descobrir que não é todo mundo que morre de medo de sair à pé às nove da noite. Não é normal agarrar a bolsa, arregalar os olhos e disparar o coração quando vê  um grupo de rapazes andando pela rua. Não é normal ficar tenso quando um motoqueiro se mantem ao lado do seu veículo. Não é normal ter medo de viajar na cidade com os vidros do carro aberto. Não é normal ainda por cima ter que  colocar película escura no carro por questão não de estética ou conforto, mas por questão de segurança. Não é normal ter medo estar sem dinheiro na hora de um assalto. Não é normal gastar uma fortuna para encher sua casa de grades. Não, não é normal. E quando a gente sai daqui e descobre que os outros raramente se preocupam com essas coisas, que circulam livremente pela cidade, que não são obrigados a dar dinheiro a nenhum mal encarado que quer "reparar" seu veículo, que quando eles se sentem intimidados ou desrespeitados, simplesmente chamam a polícia e a polícia resolve... Ah...

NÃO SOMOS LIVRES, não somos mesmo. Essa foi uma das descobertas mais triste da minha vida.

13/04/2014

"Oh meu amor! Viver é todo sacrifício feito em seu nome!"

15/03/2014

Entre chips e bactérias


"Google usa estudo de rastreamento do olhar para entender usuários;

Webdesigers usam equipamentos para o rastreamento do olhar dos internautas para entender como os visitantes interagem com seus sites... os resultados geralmente são confidenciais... Acredite: o vídeo aponta o direcionamento dos olhos em tempo real, mostrando que os humanos são capazes de rastrear informações em alta velocidade - talvez maior do que eles próprios imaginem."


Desculpem-me o trocadinho, mas não vejo isso com bons olhos. Pensei que essa coisa de vigiarem a gente ou de socarem coisas por nossa mente adentro tivesse seu auge na mensagem subliminar e chega. Mas não. Agora estão querendo ler meu cérebro. 

Claro, claro, vocês haverão de me dizer que isso são só estudos, nada em larga escala. E quem me garante? Sabe Deus há quanto tempo somos tratados como ratinhos brancos. Ninguém esquece os filmes de ficção que já assistiu. Pior: ninguém esquece os filmes ANTIGOS de ficção que já viraram realidade debaixo dos nossos narizes. É só dar uma olhada nas produções de uns 40 anos atrás e comprovar.  Não dá pra ficar muito tranquila sabendo disso. Tudo o que envolve dinheiro pode transformar o mais angelical cientista em um açougueiro sangrento.

Sabe lá quanta gente já não foi clonada por aí sem ninguém saber. Quantos monstrinhos nasceram e foram descartados.Você, de hoje pra amanhã, pode se apaixonar por um "coiso" enlatado pensando que é gente..

Já estou vendo os computadores engravidados de câmeras suspeitas, chips minúsculos "de brinde", todo tipo de presente de grego. Pense bem: por quê pagar por um espião que pode se vender para o outro lado se um pequeno aparelho pode coletar dados com muito mais segurança e discrição?

É por essas e por outras que sou uma dessas pessoas que temem colocar na testa um aviso de "doadora de órgãos" embora a causa seja justa. Uma vez assinados os papéis, na semana seguinte posso sumir de circulação para prolongar a vida de algum ricaço. Deixo de ser gente, passo a ser um rim.  Ou entro no hospital com dor de cabeça e saio direto para o cemitério contaminada por uma conveniente "bactéria"... que precisou de meus rins, fígado, coração, córneas.

Não pense que isso não tem a ver com o que comecei a falar. Tem sim e o resumo é um só: ninguém está seguro. 

10/03/2014

Mulher

No dia na Mulher um amigo postou o seguinte em minha página:


Ele é ateu e eu, cristã. Completou dizendo: "Se fôssemos seguir a Bíblia, este dia não existia... Feliz dia das mulheres, minha querida Cristina." Na boa. Ele sabe que pode fazer esse tipo de "zoação" comigo porque nosso relacionamento é cordial, somos educados e nos respeitamos. Tudo na boa, realmente. Como o assunto é, para mim, bem interessante, achei que seria legal "eternizá-lo" aqui no blog, porque tudo o que cai no Face é esquecido (eu acho...). O que respondi?

"Querido amigo, obrigada pelas felicitações, mas receio constatar que você não entendeu o espírito desse texto. É preciso saber ler para entender. Nesse texto está registrado um costume de época. Regras sobre amor e justiça são atemporais e podem ser seguidas ao pé da letra. Usos e costumes devem ser visto de outra forma. A mensagem nesse texto é: "mulheres, não adotem atitudes que levem vocês a serem desprezadas. Não sejam inconvenientes nem façam questão de chocar os outros. SEJAM RESPEITÁVEIS AOS OLHOS DA SOCIEDADE ONDE VIVEM e não adotem atitudes que até uma sociedade corrupta como a nossa veja com maus olhos."  A Bíblia é uma livro antigo demais, cheio de registros sobre costumes também antigos que são muito estranhos aos nossos olhos. Entender que temos que seguir costumes de um outro povo e de uma outra época é um equívoco grosseiro. Temos que ficar com a ideia central. Temos que observar o espírito da regra, não a regra em si. Não precisa agradecer pela aula. Rsrsrs

Um outro leitor respondeu:  "Mas se algo é sagrado, deveria ser atemporal..."  E eu re-respondi:

Mas é sagrado. A ideia de respeito ao próximo, a si mesmo e à cultura do povo não mudaram. O ensinamento do texto é atualíssimo. O costume de época, mencionado pelo Apóstolo Paulo, tem o mesmo valor e serventia que a tinta que ele usou para fazer o registro. Se você ler o capítulo todo verá que Paulo esta dando conselho para que as mulheres não escandalizem a sociedade da época, sem intenção de colocá-las abaixo dos homens. Tanto isso é verdade que ele mesmo diz : "No Senhor, todavia, a mulher não é independente do homem, nem o homem independente da mulher. Pois, assim como a mulher proveio do homem, também o homem nasce da mulher. Mas tudo provém de Deus." (1 Coríntios 11:11-12). Em outras palavras: sabemos que homens e mulheres são iguais, mas não quero que as mulheres cristãs queimem o próprio filme para provar isso. Nossa causa é outra, temos mais o que fazer. 

Meu amigo retornou: "De nada. Entretanto, não precisamos da bíblia para chegar a essas conclusões, não acha? Esse é o maior problema dela, permite uma ampla interpretação, ampla até demais, variando de acordo com o interesse de quem lê... rsrsrsrs mas isso é outro história. rsrsrsrs bjs"

E eu, que falo pra caramba, respondi de novo: 

De fato, amigo, as verdades simples são tão óbvias para as pessoas de bem! Mas é só olhar a história da humanidade para notar quem nem sempre o bem parece ser tão óbvio para algumas pessoas. Por isso Bíblia existe, porque ela não é destinada apenas à fatia sensata da população mundial. E é verdade o que você diz a respeito das diversas interpretações. Alguém já disse que a Biblia é a mãe de todas as heresias rsrsrsr    Mas veja:  nossas leis também são reinterpretadas o tempo todo mas nem por isso o conceito de justiça deve ser desprezado ou a organização jurídica do pais deve ser destruída. Não é a justiça ou a Biblia ou as leis que atrapalham, mas a maldade humana.   Detalhe: a Biblia contém muuuuito mais do que um punhado de bons conselhos óbvios. Há muita coisa não óbvia para as mentes mais curiosas. Uma pena que esse livro tão instigante te repugne... Mas tudo bem, me alegro por vc ser um homem de bem. Querendo ou não, crendo ou não, sua opção pelo bem te põe na mira de Deus. Rssrsrsrs



06/03/2014

Empatia



Tudo, até a virtude, precisa ser bem dosada.

A capacidade de nos imaginarmos no lugar do outro é uma grande qualidade. Só que a gente começa a sentir a dor dos outros - até aí tudo bem! - mas o troço pode evoluir. 

O segundo passo é quando passamos a atribuir sentimentos humanos aos animais. Conheço um monte de gente assim, motivo pelo qual não me atreverei a classificar como loucura. Vamos atacar de "borderline".

Abro agora um parêntesis para a amenizar a "saia justa" na qual me meti. Subo no púlpito imaginário e afirmo solenemente que também me enquadro em outras situações que cheiram, igualmente, a patologia. Formamos uma irmandade, queridos! Não me coloco acima de ninguém.

Voltemos: o maior problema mesmo é o terceiro nível.

O terceiro nível pode ser paralisante. Esse estágio se configura quando começamos a projetar sentimentos, alegrias e dores em seres inanimados. É aí que entra a salsicha (da foto).

Faça o teste. Se você marcar um X em mais de 2 casos, procure um psicólogo o mais rápido possível.

1) Você fica sinceramente angustiado quando flagra alguém fazendo "maldades" com seus ursinhos.

2) Você não aguenta que dêem socos em seu travesseiro. Tem a nítida impressão de que ele está sofrendo. Também não quer substituí-lo porque parece-lhe que ele se sentirá rejeitado.

3) Acha que uma roupa fica magoada quando você passa muito tempo sem usá-la;

4) Sente que está "assassinando" uma fruta sempre que a corta;

5) Não ingere nada com molho vermelho porque parece sangue.

6) Toda vez que come um ovo lhe vem à mente que está mandando um pintinho para o céu.

7)  Você atribui personalidade a tudo o que tenha uma carinha (borracha na ponta do lápis, carinha alegre em camiseta etc). Reluta em  comer coisas com carinha (biscoitos, bolos, chocolates...)

8) Você não só reluta em comer: você realmente não come. (obs: essa questão vale 5 pontos)

9) Você tem pena de jogar fora um eletrodoméstico velho que lhe prestou tantos serviços durante a juventude. É como se você desse um pé na bunda de uma empregada doméstica e a deixasse ao relento e sem assistência só porque ela ficou velha. Então você prefere guardar no armário o "bom e velho amigo" que morou a vida toda com você. Visita-o regularmente no armário e quase pede desculpas por usar o novo liquidificador (por exemplo).

10) A imagem que ilustra esta postagem lhe impressionou deveras. Você encontrará dificuldades, de hoje em diante, em comer salsichas. Na verdade já tinha essa dificuldade, só que por "outro tipo" de associação mental.

11) Acha que seu órgão sexual tem sentimento e vida própria, inclusive se governa. Frequentemente você se flagra conversando com ele tentando explicar certas situações e o por quê de algumas impossibilidades. Em alguns contextos você tem certeza de que ele está revoltado e lhe odeia. (Essa questão vale 4 pontos).

Se você não quer que ninguém descubra o resultado do seu teste, seu caso é grave.

03/03/2014

Cuidado com os ursinhos

Aqui vai mais um texto da série SUGESTÕES DO LEITOR. Você manda um assunto e eu desenvolvo. Vamos lá:

"Vc podia escrever também sobre parceiros que eram extremamente perfeitos, dedicados, apaixonados e trocam a mulher por outra??"

Querida amiga desavisada: o "homem-ursinho" é um perigo. O brutamontes que só se transforma em gente quando está apaixonado, esse é fácil de detectar. O problema são os outros.

Quando digo "os outros" refiro-me àquela categoria de seres gentis, fofos, atenciosos, encantadores. Entenda: essas virtudes frequentemente nos induzem a erro.

Educação hoje em dia é algo tão raro mas tão raro que a vítima começa a acreditar que toda aquela delicadeza é só pra ela. Daí pra confundir com amor é um pulo. Amiga, acredite: existe um tipo de homem que vai te tratar bem até quando estiver enfiando uma faca nas suas costas, pegando sua melhor amiga ou apenas ensaiando uma despedida estratégica. Esse tipo de homem não consegue demonstrar com gestos grosseiros que não está mais na sua. É difícil pra ele. Você só vai se tocar quando descobrir o enorme par de chifres com o qual ele te brindou. Se você tivesse prestado um pouquinho mais de atenção veria que ele era igualmente maravilhoso com a tia, com o jornaleiro, com o chefe, a sobrinha, a vizinha chata e o amigo inoportuno.

Pensa que vaidade é só lipo, academia e loja cara? Pois saiba que há formas mais sutis de vaidade e essa é mais uma delas.

Quando um homem descobre que educação gera dividendos, abre portas e "outras coisas", ele incorpora o personagem e sai pelo mundo. Para a nossa alegria. Ou não.

28/02/2014

Síndrome de Down

Hoje vi um menininho com síndrome de Down.
Antigamente eu sentiria pena dele ou pena dos pais dele. Antigamente eu não conseguia absorver a necessidade de alguém vir ao mundo naquelas condições. E eu olharia seus pais imaginando a tristeza que era jamais se alegrarem porque ele passou no concurso ou casou ou fez um bom negócio.Hoje raciocino de forma tão diferente!

O que é ter um filho que jamais cometerá um ato de maldade e jamais será odiado? O que é ter um filho que nunca vai experimentar a dor do fracasso, mas viverá sempre em um mundo mais simples onde não há pressão por resultados? O que é ter um filho que permanecerá ao seu lado enquanto você viver e, na sua inocência, jamais sentirá a dor, o medo e a angústia que você sente quando assiste o jornal? Também não passará anos preso em um casamento infeliz nem atropelará nenhuma criança.

Não sei se é bem assim que eles são, mas isso me passou pela cabeça aplicando-se a todos aqueles que tem limitações mentais.

Ninguém escolheria ter um filho com Down. Eu não escolheria. Sou felicíssima por ter os filhos que tenho como são, inteligentes e saudáveis. Mas é claro que tudo na vida tem seu ônus e compensações. Olhando para o menininho de sorriso mole imaginei que talvez fosse um anjo que Deus colocou no mundo sem que percebêssemos.  Quem sabe Deus queria "descobrir" qual seria nossa reação diante de uma pessoa pura, mas que já tivesse perdido a aparência irresistível de um bebê.

Quem sou eu diante de uma pessoa assim? Passo ou não passo no teste?

Talvez a pureza sejam coisas muito estranhas aos nossos olhos mas nem percebemos isso. O que você diria de um amigo que doou todos os bens aos pobres? O que você diz de uma mulher que perdoa infinitamente o mau marido?

Talvez a pureza seja incompreensível para nós e nos pareça tão mole e desajeitada como os gestos dessas crianças. Quem sabe se é por isso que vivemos em um mundo tão mal?    Os bons muitas vezes são vistos como portadores de alguma doença crônica que  lhes colocaria em desvantagem perante a sociedade. A rejeição aos Down é a seta que aponta para a raiz do nosso problema.

Talvez os Down sejam nosso teste e treinamento. Quando aceitarmos serenamente a bondade inocente como ela é, quando não mais a acharmos estranha ou desajeitada, só aí tenhamos condição de começar a construir uma sociedade mais benigna.

Os Down são a prova do nosso fracasso e ao mesmo tempo nossa chance de redenção.

24/02/2014

Preparação

Aos poucos, querendo ou não, a gente vai se sentindo muito bem e à vontade no papel de tia, mãe, vovó, senhora. A vida é muito bonita, principalmente quando descobrimos que a maioria dos nossos antigos medos não tinham razão de ser.

Lembro da primeira vez que ouvi alguém me chamar de "coroa". Era um rapazinho de uns 16 anos mais ou menos. Eu ia passando e ele exclamou: "ô coroa gostosa!"  Não morri. Tô vivinha, pra contar a história.

A vida é como uma grande caixa onde jogamos objetos de vários formatos todos os dias. Fazemos isso sempre muito preocupados achando que não vão caber; "a caixa" não suportará tudo o que lhe está sendo imposto.  Quando a sacudimos, percebemos que as coisas se acomodam por si mesmas e no final das contas tudo encontra o seu lugar. Um dia caixa fica cheia: não faltou nada, não sobrou nada.

Não há o que temer. Quando cada coisa que tem que acontecer, acontecer de fato, estaremos simplesmente preparados.

Quando eu tinha 17 anos pensava com horror nos meus 50. Era como o fim da vida, o fim da linha, a decreptude, um mundo cinzento e triste. Quando pensava nisso eu sabia que não estava preparada para viver aquilo. "Cinquenta anos? É demais para mim! Será possível alguém ser feliz com cinquenta anos?"

De fato aos dezessete eu não estava mesmo preparada. Aliás, alguém que consegue ter um pensamento tao equivocado como esse não está preparado pra nada na vida! Mas então o tempo passou. Devagarzinho, dia apos dia, como naqueles programas de computador em que um rosto se transforma em outro rosto mas a gente não consegue entender como nem a partir de quando. Fui sendo trabalhada pelo tempo e aqui estou eu - muito bem, obrigada.

Aos dezessete fui tola e sábia: fui sábia em perceber meu despreparo, mas fui tola em olhar o futuro imaginando que seria jogada lá de repente pela máquina do tempo.

Agora olho para a velhice e sinto a mesma tentação de achar que enfrentarei o horror dos horrores e concluir, por fim, que não estou preparada. Sinto a tentação, mas dessa vez não cedo a ela. Aprendi a lição. Já não tenho mais medo. Sei que nos sacolejos da vida eu estarei preparada, perfeitamente preparada.

Essa tranquilidade de hoje me leva a concluir que sou mais calma e feliz agora do que quando sofria as tolas inquietações dos meus dezessete anos. É lindo ser jovem, mas não é nada confortável.

Se tem um ditado que eu gosto e é o "meu" ditado, é este aqui: "No fim, dá tudo certo."

20/02/2014

Caminho inverso


Talvez eu tenha errado muito quando decidi viver só da verdade e desprezar todas as ilusões.  Cá pra nós, foi uma decisão muito pretensiosa.

Reanalisando a questão noto que as ilusões são o que temos de mais palpável na vida. É fácil rotular uma ideia como "ilusão".  Não há tanta dificuldade em detectarmos uma ilusão se esgueirando pelo ambiente mas e quanto aos outros rótulos da vida?   Tudo o mais é uma complicação definir.

Só enxergamos bem os nossos próprios sonhos. Podemos passar horas explanando nossas utopias, previsões e miragens. Temos esquemas, plantas, fotos, tudo arrumadinho. Sim, hoje é um daqueles dias em que declaro resolutamente que não há ambiente mais claro do que o lado de dentro da nossa cabeça.

Não sei explicar nada sobre o prédio que está ali na minha frente. Asseguro que é feito com concreto, tijolos, ferro e financiamento da Caixa. Nada mais. Também nada sei sobre meu celular, minha geladeira, a cadeira, o asfalto. Notem que o "mundo concreto" é absolutamente misterioso e cheio de surpresas. Tudo é composto por uma infinidade de moléculas irrequietas e temperamentais: no frio se comportam de um jeito, no calor de outro, na altitude têm uma personalidade, debaixo d'água já mudam a cara. Como se isso fosse pouco, costumam associar-se com outras e fazer combinações inimagináveis. Quem pode com isso?

Nem preciso do mundo inanimado para me sentir perdida: sou uma desinformada quanto aos travestis da esquina, as elucubrações dos políticos, os sentimentos caninos ou os caprichos das plantas.  Mas aqui, dentro da minha cabeça, tenho um mundo bem mais exato e compreensível. Por que abrir mão disso e privilegiar uma objetividade exterior que, no final da contas, não existe?  Meu mundo interior é mais claro, estou mais ambientada. Por ele caminho no escuro, sem acender a luz nem tropeçar nos móveis. Meus sonhos, lembranças e impressões estão organizados em estantes, acessíveis e em linguagem corrente. Com o equipamento certo eu poderia projetá-los na parede da sua sala!

Por isso decidi que vou fazer o caminho inverso: voltar atrás, revirar a lata de lixo e pegar de volta todas as ilusões que eu havia jogado fora.  Chega de arroubos.  Vou resgatá-las, dar uma boa espanada e readmiti-las no aconchego seguro da minha caixa craniana.

Cansei da "objetividade fluida" do mundo físico. Volto a recolher-me, em mim mesma, qual sábio jabuti.

17/02/2014

Reverência & Criatividade

Só é criativo quem deixa de ser reverente. Acho que a reverencia é um dos venenos mais letais contra a autenticidade.

Não é proposital, claro. Mas acho que quem admira demais uma pessoa, querendo ou não acaba se bloqueando, por causa da comparação. Ou imitando. O reverente corre sempre o risco de ficar cada dia menos parecido consigo mesmo. "Sofrer influência de" é deixar-se contaminar. Difícil fugir disso.

14/02/2014

Sociedades Alternativa

Lembro de mim mesma, adolescente, ainda no Rio. Estava passeando em um evento animado: um cruzamento de quermesse com feirinha de artesanato. Logo na chegada minha atenção foi capturada para um upo de jovens barulhentos usando roupas esquisitas e portadores de uma felicidade mais esquisita ainda. Riam muito enquanto cantavam "Viva! Viva! Viva a Sociedade Alternativa!" "Viva! Viva! Viva a Sociedade Alternativa!"! "Viva! Viva! Viva a Sociedade Alternativa!"! Um mantra. Eles se olhavam e riam  muito enquanto cantavam isso. E eu achava algo entre engraçado e assustador - inclusive porque minha mãe puxou meu braço e me tirou dali rapidinho. "Será que eram maus? Delinquentes?" - pensei, enquanto era subtraída daqueles ameaçadores metros quadrados.

O que é Sociedade Alternativa? Enquanto cantavam às gargalhadas, de braços levantados, olhavam uns para os outros como se nas entrelinhas houvesse alguma charada que os passantes não conseguiam captar. Como se estivessem esfregando na nossa cara o mapa de algum tesouro sabendo desde já que não entenderíamos. Pareciam rir de nós. Achei que riam de nós.

Eu não fazia ideia de quem eram, por que riam, porque se vestiam daquele jeito. Depois descobri que eram hippies. Passei a adolescência achando os hippies fascinantes. Pareciam livres e assustadores. E ao que tudo indicava "Sociedade Alternativa" era algo que valia a pena ser desvendado...