.

.

16 de fev de 2017

Transgressão


Levantei da cama cedo
Como se ouvise algum som
Olhei para o dia com medo
Mas fingi que ia ser bom
Tomei o café da manhã
Como se preferisse adoçante
Almocei uma maçã
Pensando em ficar elegante

Comi alface sem graça
Rejeitei bacon crocante
Sorri de mentira na praça
Com o coração soluçante

Parecia um sonho maluco
Onde nada combinava
Tomei um copo de suco
Para ver se aliviava
E veio uma pressão no peito
Que nem o suco deu jeito.

Abracei quem me abriu os braços
Pois deles não pude fugir
Mas perdi os doces laços
De quem nunca mais pôde vir
Ajudei quem não amava
Fingi alegria na festa
No enterro, na mente cantava
Modinha nada funesta
Dei atenção mentirosa
A assunto sem sabor
E calei teimosamente
Às coisas que falam de dor

Senti uma pressão no peito
Por tanta contrariedade
Mas disse: "Isso não tem jeito!
Vivemos em sociedade!"

Odiei o calor do sol
E a chuva me pegou
Pensei: deve ser pecado
Reclamar do que Deus criou
Desejei o que não sei explicar
Expliquei o que nunca entendi
Cansei de me pôr a pensar
Nas incoerências daqui,

Desse mundo desbotado
E suas histórias singelas
Com capítulos misturados
E ideais que a gente anela.

Parecia um sonho maluco
Onde nada combinava
Tomei um copo de pinga
Para ver se aliviava
Mas veio a pressão no peito
Que nem pinga aliviava.

Não sei mais a diferença
Entre ser sincera e ou má
Fingi ter então uma crença
Pra minha alma acarinhar:
Ocupar-se com o alheio
É uma coisa elevada
E não tem nada mais feio
Que uma alma isolada.

Então...
Fingi que não fui atingida
Pelo tempo tão tenaz
Nem com a falsidade tingida
Com as cores do Satanás
Deixei de perguntar
Por aqueles que eu amava
Mas exclamei "como vai?"
A quem nem me interessava

Mas senti pressão no peito
Quando olhei a tarde fria
E admiti pra mim mesma
Que nada disso eu queria.

Corri sem querer chegar
Levantei fora de hora
Fui salva pela transgressão
Daquela última hora:
De tanto pensar deitada
Nas coisas que faria de pé
Caí de novo, cansada,
Pensando em como a vida é
E sonhei sonho tão louco 
Tão cheio de transgressão
Com desaforos, com soco
Em quem merecia prisão
Vivi amores malucos
Todos bem correspondidos
Havia romances e coitos
Que não eram interrompidos

Um sonho sincero e humano!
Lavei minha alma dormindo
Me apeguei àquele momento
De magia, e muito lindo

 
Sonho louco e transgressor
Com liberdade total
De consertar o mundo
E acabar com todo o mal
E rejeitar programa chato
De caráter social.
Quis dormir mais umas horas
Pra curtir aqueles fatos
E voltar a ser senhora
Em sociedade de ratos

Acordei aliviada
Pois sonhei tudo o que quis
Me senti até cansada
Mas bem que eu queria um bis
E tão sinceros eram os sonhos
Que nem posso te contar
No que daria esse mundo
Se os pudesse executar.

(Eu nem lembrava mais desse poema de 2010. Meu Deus, fui eu mesma que escrevi isso???)

Postar um comentário