.

.

29 de mar de 2007

E PASSOU




Éramos quatro
Éramos festa
Éramos vivos
Sonhos de sesta
Era outra era
Era seguro
Era sem riscos
Era sem muro
Era sorvete
Meio sem gosto
Mas colorido
Pelo meu rosto
Se desmanchando
Com o sol posto
Na cantoria
Da Dona Sancha
Com os filhinhos
Da Dona Maria
Que em meio aos sons
Já se desmancha
Coberta de ouro
Coberta de prata
Os netos distintos
De Dona Mulata
O nosso tesouro:
Bichinhos na mata
Folhinhas redondas
Estranhas sementes
E mariolinha
Grudando no dente
Balanço de corda
E aquela marola
Finzinho da tarde
Cai frio, cai lua
E estrela cadente
Na nossa idade,
No peito, latente,
Ficou a saudade
Da doce idade
Do tempo da gente.

Cristina Faraon
Postar um comentário