.

.

6 de ago de 2007

O outro lado da moeda


Dia desses fiz uns comentários sobre palhaços, lembra? Ao final prometi fazer revelações sobre os palhaços do mal. Pois aqui estou eu, cumprindo a promessa com o risco de minha própria vida.

Sim, eles existem e nesse exato momento acho que estou sendo observada. Digo isso porque sinto pelo menos um par de olhos cravados em minhas costas. Ui!

Se eu desaparecer sem mais nem menos vocês já sabem. Vou logo adiantando: deixo meus bens para os amigos e as dívidas para os inimigos. Justa divisão, né?

Mas vamos lá: a maldade dos palhaços dessa estirpe é patente e invisível ao mesmo tempo. Alguns poucos “agraciados” percebem o perigo ao redor, o clima pesado, mas ninguém lhes dá ouvidos. A história se repete: um pobre-diabo saca tudo, perde a paz e, mais tarde, a sanidade - mas ninguém acredita nele.

A propósito: você tem ouvido vozes ultimamente? Sente-se perseguido? Ainda não? Tudo bem.

Olhos gélidos e ensandecidos... Se você notar, prepare-se para se sentir sozinho no mundo e, de quebra, ser chamado de louco. Conforme-se em ser a voz do que clama no deserto. Crianças desaparecerão e apenas você conhecerá a verdade. E eles sabem quando alguém sabe deles. Sendo assim, eles sabem que você sabe mas você não sabe se eles sabem que você sabe. É angustiante.

Olhe bem para o palhaço mais próximo. Você nota em sua roupa uma pequena mancha cor de vinho? Claro que não é vinho, seu tonto! É sangue velho, ressecado.

E se a mancha não for cor de vinho, mas vermelho vivo? Pior ainda: é sangue novo!

Mas e se ele estiver com as roupas perfeitamente limpas, como que acabadas de sair da gaveta? Mal sinal. Deve ter acabado de estrangular alguém e ainda agora precisou trocar de roupa às pressas. Se você for verificar seu cesto de roupas sujas verá as evidências. Você tem coragem de entrar em seu esconderijo - digo, camarim - durante o espetáculo?

E se as roupas não estão recém-saídas da gaveta, não tem mancha escura nem clara? Aí é de se desconfiar de que ele ainda não realizou seu intento, mas está armando... Fique alerta!

Quando ele olha para você e vê que você está olhando para ele, ele parece tenso? Desvia o olhar? Ou sorri cínico? Parece desconfiado ou estressado? Os palhaços do mal estão sempre estressados. Só a maquiagem ri com aquele colorido grotesco. Aquelas sobrancelhas negras e tenebrosas, as unhas sujas, o chulé inconfundível...

Aquela bola vermelha no nariz é para desviar o olhar da direção dos lábios, pois os lábios os denunciam. Eles não conseguem disfarçar que por detrás da maquiagem a boca se contrai involuntariamente em um esgar estranho e assustador. Não conseguem controlar isso.

Sumiu alguma criança esses dias? Alguma solteirona “mudou-se” de repente? Uma vovó que morava sozinha foi “visitar a família” e não voltou mais? Um mendigo abandonou seu ponto? Aquele gatinho chato nunca mais miou em sua janela? E o que foi feito dos peixinhos da vizinha? Hummm...

Seu sobrinho quer ir ao circo. Ele está encantado com o “simpático” palhaço e suas brincadeiras sinistras. Não, seu sobrinho não sacou que são sinistras, só você, Mané! O pirralho chama aquele espantalho de tio, quer ir ao camarim pra ganhar um brinquedo e quer usar roupas iguais às dele. O que fazer? Desespere-se.

Vamos ser justos: o palhaço do mal não nasceu assim. Ele teve uma infância triste, sofreu abuso de todo tipo, passou fome e frio e era humilhado pelos meninos ricos. O pai bebia e era violento. A mãe era safada e apareceu morta sem mais nem menos em um terreno baldio, com roupas mínimas. Essas coisas, sabe? Se eu contar tudo você chora.

Tudo bem, ele não tem culpa de estar com a mente detonada por situações destrutivas, mas tá com pena? Leva ele pra você!

Aquela criança magrinha e sofrida tornou-se um ser irrecuperável, meu amigo! É uma alma atormentada por pesadelos e estranhas fixações. E o pior de tudo: está solto no mundo, posando de bonzinho com seu riso nervoso. É, ele não tem culpa de ter virado um monstro colorido - mas seu sobrinho não precisa pagar por isso!

Só existe uma solução: essa alma disforme precisa ser eliminada. Precisa! Essa é a sua missão na terra. Se você não fizer nada, cabeças vão rolar. Não adianta explicar para a polícia - vão acabar te mandando para um manicômio pra se alimentar de pão e água para o resto da vida e tomar choques elétricos aos finais de semana. E o pior: de pijama listrado. Não, fora de cogitação pedir ajuda. Você precisa resolver isso sozinho.

Coragem, amigo. O serviço precisa ser feito o quanto antes.

Onde você guardou mesmo aquela faca?
Postar um comentário