.

.

14 de abr de 2008

Emtiví

Não digo que o estilo “jovem enfezado” esteja de todo fora de moda. Nada disso. Eles ainda fazem sucesso com aquela cara antipática e ar de quem acabou de ser injustiçado. É o estilo “infeliz chique” que mais vemos em capas de CDs de rock e campanhas publicitárias (de produtos caros): “Estou coberto de razão, odeio os meus pais e ainda tenho uma banda.”

Bem, por hoje não vamos nos debruçar sobre esses seres trabalhosos. Estou mais a fim de acusar a existência de uma tribo politicamente correta cujo habitat é o planeta MTV. Para começar aprenda a pronúncia: é EMTIVÍ. Anote aí.

O padrão “Emtivi” é bem alto astral. Isso prova que o tremendo esforço para passar a idéia de descontração vale a pena porque de fato o que a imagem deles sugere é “Uau! Tudo é tão legal!”

Os jovens Emtiví não usam drogas (embora a cara seja de quem fuma, cheira, pica, mastiga, enfia...) e tem pais muuuito compreensivos - e jovens também.

Atenção: se seus pais já estão muito passados da casa dos cinqüenta, você já não se encaixa no padrão Emtiví.

Essea tropa colorida pode ficar na rua o tempo que quiser, dormir onde quiser, tatuar, raspar, alterar, perfurar - tudo isso sem perder o charme nem a mesada. E mais: eles tem quartos muito bem transados do tipo “sou doidinho com estilo”. Claro que no final das contas tudo custa uma baba mas aí é que está: o lance é fazer os desavisados (gente como você) acreditarem que basta imaginação para ter um quarto semelhante.

Um ente “Emtiví” gesticula bastante, fala rápido, fala muito, com segurança, sorrindo, usa gírias novas e nem se cospe! É mole?

Pra não ficar tudo muito parecido há também os nerds de boutique - que não deixam de ser Emtiví, claro. São um contraponto necessário. Não usam quase gírias e freqüentemente se comunicam no dialeto internetês. Atacam de química, esoterismo, computador, causas sociais e tem o curioso hábito de conservar as mãos enfiadas no saco de batatas – digo, no bolso da calça.

Boinas e bandanas são bem vindos. Cavanhaque então, conta vários pontos. No caso dos rapazes, claro. Ainda não estudei o efeito do cavanhaque em uma garota de maria chiquinha e meias listradas. Melhor não arriscar agora. Deixemos isso para as próximas gerações.

A orientação é que os carinhas se vistam como se ainda tivessem dez anos de idade. Tipo "cresci demais e não sei bem como acomodar o fêmur". Já as garotas devem primar por usar roupas provocantes – não do tipo Play Boy, mas daquelas que dizem que “eu não sabia que essa roupa te deixava assim, tio”!

Uma autêntica garota Emtiví jamais dá uma de sedutora. A idéia é fazer com que o cara normal se sinta um depravado que não reparou que você não passa de uma menina sem maldade – ainda que sem calcinha.

Sorrisos insinuantes jamais. Uma “Emtigirl” sabe sorrir como se aquele cara estivesse fitando penas os lindo olhos do ursinho de sua camiseta - que por sinal estão saltando.

Como já deu pra notar são necessários vários itens para ser amiguinho da Sabrina Sato. Tente ser bonito e faça cara de rico. Ou pelo menos faça o favor de usar roupas estranhas e, se o salário permitir, pinte o cabelo de azul. Seja autêntico.

Dica: para ser “autêntico” você precisa ser como um deles, sacou? Observe e treine.

A essas alturas você está se analisando... medindo seu potencial, se olhando no espelho... e lembrando desconsolado dos itens de seu guarda-roupas. É... acho que você está fora dessa.

Tudo bem, sua tribo é outra! Você pode não estar no padrão Emtiví mas e daí? Alguém ainda vai te descobrir. Espere (sentado).

Cristina Faraon
Postar um comentário