.

.

10 de jul de 2008

Eu, pelada na Playboy?!


Natália Casassola, 23 anos, capa da "Playboy" de julho (2008) declarou: "Posar para a Playboy é o sonho de qualquer mulher brasileira. É muito bom ser chamada de gostosa."

Como assim? Eu sou gostosa sem precisar posar na Playboy e pra completar nunca desejei posar pelada em revista alguma. Que frase tola!

Não é por falta de atributos que eu não quero posar na Playboy. Nada a ver. Eu com 22 anos e uma boa produção não deixaria nada a desejar, garanto a vocês. Dizer que jamais sonhei em posar pelada não tem relação alguma com complexo de feiúra - tem a ver com orgulho.

Sou vaidosa como toda mulher. Acho mesmo que não sou de se jogar fora. Só que o lance de me expor a olhares, risos e comentários como se eu fosse um mico de circo não me parece nada lisonjeiro.

Não digo que eu jamais posaria nua. Nunca diga "dessa água não beberei". Sempre tive uma vida boa e por isso desconheço o poder que a necessidade exerce sobre os nossos orgulhos e convicções. É possível que diante de uma situação terrível eu preferisse entreter os homens expondo humildemente minha perereca em público para não precisar passar fome.

Não, não critico de forma alguma quem faz isso por necessidade. Só o que não consigo entender é alguém dizer que isso seja "um sonho de toda mulher". Sonho?

Para eu posar nua seria necessário uma dose imensa de humildade da minha parte - humildade essa que ainda não alcancei nem orando e lendo o Evangelho todos os dias.

Caraca, servir de entretenimento para um monte de machos que não conheço? Deixar que meçam meus peitos, minha bunda, a grossura das minhas coxas, o desenho da minha "deixa-pra-lá" numa mesa de bar, entre gargalhadas? Não, eu tinha que ser muito humilde ou muito carente para pagar um mico desse. Ou... estar com minha percepção de realidade totalmente desconfigurada.

Aqui não vai nenhum discurso moralista. Não se trata de moralismo, repito, mas de orgulho mesmo.

"É muito bom ser chamada de gostosa..." É muita carência de auto afirmação dizer uma coisa dessa. Quem é gostosa é chamada de gostosa sempre e em qualquer lugar, independentemente de aparecer nua em revista. Eu tenho idade de ser mãe da Natália e sou gostosa, e daí?

Pra completar: com um bom fotógrafo, maquiagem e produção impecáveis, até a Benedita da Silva (desculpa aí!) vira filé.

Se você consegue ver glamour em servir para a diversão alheia aparecendo pelada, de quatro, em público, desculpa a crítica. Espero que nossa amizade fique acima disso tudo.

Cristina Faraon







Postar um comentário