.

.

27 de out de 2008

Receita condenada



Época de eleições é a época em que mais repetem uma das frases que mais me irritam: "

O eleitor não sabe votar. Tudo o que está acontecendo é culpa do eleitor porque é ele quem coloca o político lá."

Sempre tem um babacão na televisão (rimou!) dizendo isso com ares de "pensem nisso!"

Sinto ânsias assassinas quando ouço esse tipo de coisa. Primeiro porque a gente só pode votar em quem é candidato. Se os candidatos que aparecem são todos da mesma estirpe, que culpa tem o eleitor?


UMA PARÁBOLA:

Imaginemos que VOCÊ vai participar de um concurso de culinária. Todos os participantes terão que preparar o mesmo prato. Para isso eles tem a disposição uma grande cozinha com todos os ingredientes necessários à execução do prato mas tem o seguinte: é exigência dos organizadores que não pode ser utilizada nem uma pitada de sal que não tenha sido fornecida por eles.

Ao final do concurso os cozinheiros estão frustrados: todos os pratos ficaram horríveis. Nenhum candidato saiu-e bem. Motivo: os ingredientes fornecidos pelos organizadores do concurso eram problemáticos: uns estavam estragados, outros eram de péssima qualidade. Observou-se também que alguns estavam com os rótulos trocados. Como cozinhar bem nessas condições?


Como você acha que os participantes se sentiriam se alguém declarasse que eles eram incompetentes?

Não seria justo dizer isso, uma vez que eles eram obrigados a se limitar ao material fornecido! Se eles pudessem escolher com o que cozinhar, não escolheriam nada do que havia naquela cozinha maldita.

MORAL DA HISTÓRIA:


O mesmo acontece conosco. Nas eleições somos incentivados a fazer grandes mudanças no país, votar com consciência blá blá blá... Louvam as maravilhas do poder do voto mas ninguém faz a ressalva de que se a receita desandar a culpa pode estar na qualidade do material oferecido.

Só posso votar em quem é candidato.

Esse é o primeiro motivo pelo qual fico irritada com a tal frase infeliz. O segundo motivo é o mesmo. O terceiro, também. Fico três vezes irada pela mesma coisa.

Cristina Faraon
Postar um comentário