.

.

3 de dez de 2008

Fantasma inquieto

A verdade verdadeira é que estou em São Paulo e não sei bem onde foi parar aquela vitalidade, aquele espírito inquieto, curioso e jovial. Tudo o que tenho é um espírito murcho e embolorado a me acompanhar dia e noite. Não ressequei. Embolorei - o que é bem mais incômodo, sob a minha avaliação.

Deve ser uma fase. Tem que ser uma fase. Estou me desconhecendo. Dentro de mim continuo sendo como antes e querendo as mesmas coisas mas algo me pesa, algo me prende. É alguma coisa inconclusa. Sabe esses filme nos quais alguém morre mas seu espírito cisma de azucrinar alguém que teve mais sorte e continua no mundo dos vivos? Pois é, vive cobrando coisas e não larga o pé até que determinada coisa seja realizada. Depois que o cara dá o braço a torcer e faz a vontade do fantasma-mala ele arruma a trouxa e vai-se para o além. Pois é mais ou menos assim.

Na tentativa de ressuscitar a Cristina espevitada que sei que ainda dorme dentro de mim, amanhã faremos uma programação mais animada. Encontraremos amigos e deveremos passear no "Simbad Safari". Tomara que seja legal. Desconfio de que seja algo meio infantil mas deve render boas fotos.

Hoje corri e já me sinto um pouco melhor.

Você, que estava morrendo de vontade de saber os pormenores de como me sinto, anote aí as notícias mais frescas.

Cristina
Postar um comentário