.

.

3 de abr de 2012

Pra fora

Pensar, apenas pensar, pode ser uma coisa muito enganosa.

Dentro da nossa cabeça há um universo estranho, frequentemente nebuloso, com coisas misturadas. Dificil alguma idéia manter a coerência se ficar o tempo todo guardada nessa caixa assim, sem arejar.

Observe o absurdo dos nossos sonhos; neles cabem até vacas voadoras!  Enquanto nosso raciocínio estiver rodando só na nossa mente, ele é irremediavelmente suspeito. Trata-se de um "pensamento contaminado" pelo ambiente.

Nossa mente não é simplesmente um computador, o setor de contabilidade da empresa. A mente humana é também o mundo dos sonhos, a soma de imagens perdidas que vem a tona sem mais nem menos.  Nossa cabeça é a mãe de todos os enganos e ninguém é assim tão coerente a ponto de caminhar tranquilo nesse terreno cheio de casca de banana. 

Proponho a você um teste: experimente expor suas idéias ou suas queixas para uma platéia. Explique direitinho por A+B, ponto por ponto.  Na falta de platéia, explique-o para um Cristo  uma pessoa. Ou pelo menos escreva - já serve.

Note que durante essa exposiçao tudo o que for ridículo ganhará realce. E como haverá coisa realçada! Você jamais desconfiou-não é?  Você vai se assustar com a quantidade de  sofismas que te guiavam e abobrinhas que ocupavam a sala vip.  

Já aconteceu comigo. Certa vez escrevi (adoro escrever) tudo o que me entristecia, aborrecia, indignava. Botei "pra fora" no computador e fui dormir. No dia seguinte, quando li, notei que muita coisa ali era injusta ou incoerente.  Algumas grandes mágoa não passavam de frescura mesmo. 

Faça. Você vai se sentir um bobo a princípio, mas vale a pena o mico. Depois desse singelo exercício você estará muito mais perto da verdade do que quando preferia fechar-se  em seu mundinho confuso.
Postar um comentário