.

.

4 de set de 2012

Regulando a virtude

 
Nem sempre a paciência ilimitada é uma virtude. Geralmente não é. Quem tem paciência demais acaba  reforçando comportamentos alheios inaceitáveis. Se uma pessoa que age mal mas não vê resultados da sua má ação, então continuará incomodando sem ter noção da gravidade das suas atitudes. O sujeito excessivamente paciente mascara a realidade. O mundo não é paciente com ninguém.  Uma reação forte (um "chega-pra-lá")  às vezes é absolutamente necessário. Só assim o outro vai conseguir acordar e se realinhar à realidade da vida (ou seja: se mancar). Isso vale para adultos e para crianças. Paciência demais pode transformar o fofinho tolo em um pentelho insuportável.
Postar um comentário