.

.

10 de dez de 2012

Quem é quem

Dizem que as mulheres têm muita dificuldade em encarar a realidade dos seus relacionamentos. Quando um homem não mostra o devido interesse ou consideração elas aceitam qualquer desculpa para não admitirem a própria solidão: ele está com a mãe doente, está tenso com o problema da irmã, preocupado com o trabalho, pressões, com os filhos, tem problemas financeiros e bla bla bla. Interessante é notar que nem sempre é ele que vem com a desculpa. Às vezes  tal príncipe nem se dispõe a isso! Então ela mesma a cria. Sua cabecinha generosa tece motivos para o comportamento inadequado de seu companheiro e ela vai levando, vai perdoando, vai empurrando com a barriga até não dar mais.

Concordo, é comum isso acontecer. Mas eu diria que esse fenômeno de longanimidade não se dá apenas com as mulheres. De carente e de louco todo mundo tem um pouco. É comum distribuirmos desculpas gratuitas por aí só para não nos flagrarmos sozinhos no mundo. Nossos colegas, amigos, parentes, conhecidos, todos já foram brindados pelo nosso olhar benevolente.

O fato é que todos temos medo da verdade e a verdade é que a vida real é bem mais solitária do que gostaríamos de admitir.

Amigos... Quem admitiria sem pestanejar que não os tem? "Sou sozinho no mundo, não consegui cativar ninguém realmente."  Cruzes, ninguém diz isso para si mesmo de coração. É duro demais. Daí nascem as desculpas: estão todos sem tempo, sem dinheiro, sem saúde, somos amicíssimos mas sabe como é a vida moderna.  São desculpas que eles mesmos não solicitaram, estão dormindo muito bem sem elas. Mas nós damos porque seria insuportável ver o mundo com as lentes limpas.

A verdade, verdade mesmo, é todos os dias nós enxergamos muito bem que quem é e quem não é. Tá tudo ali, na nossa cara. É como está escrito em Provérbios: "A verdade grita pelas ruas."  Não há por quê chamar pau de pedra nem desinteresse de "problemas".

Nenhum de nós precisamos fazer testes para descobrir quem são nossos verdadeiros amigos. No fundo nós sabemos.  Mas se preferimos acalentar nossa velha alminha com trapos, tudo bem. Tudo é válido se for para tornar nossa vida mais leve.


Postar um comentário