.

.

1 de abr de 2013

Um escudo chamado Relatividade



Se existe uma coisa chata nesse mundo são os filósofos convenientes. 


Sabe esse pessoal que quando está perdendo uma discução apela para a teoria da relatividade?

Você diz que ele está dirigindo bêbado e ele responde "mas o que é bêbado? o que é bebida? No Egito antigo o que nós chamamos de bebedeira fazia parte dos cultos e blá blá bla."   São pessoas que não sabem trocar ideias, só sabem e só querem mesmo é tornar um diálogo difícil ou impossível. Se você fala que ele foi grosseiro ataca com "grosseria pode ser uma interpretação unilateral que depende de cada cultura, então não se pode afirmar que...."  Se você diz que o cara mentiu ele ataca com a afirmativa de que "verdade e mentira são pontos de vista, depende de que lado a pessoa esteja." Se você resolve dar um exemplo prático para defender se ponto de vista, ele pega alguma palavra que você usou, qualquer uma, e tenta dizer que aquilo não é aquilo, que pode querer dizer outras coisas, que no Brasil colonial aquele termo era usado com outros fins... Ou seja: o papo não anda, ele posa de intelectual e aparentemente não perde a parada. Conheço zilhões de pessoas assim.

Essa saga relativista não se aplica a tudo em todos os momentos. Se estou molhada, estou molhada. Se cortei o cabelo, cortei o cabelo. Como relativizar isso? Se a casa caiu, a casa caiu. A tentativa de relativizar um desabamento pode ser patológica no sentido de negar a realidade. Posso ficar dizendo "mas que casa? Você sabe o que significa o termo "casa"?  E o que quer dizer o termo "caiu"?  "Caiu" segundo a definição de quem? De pessoas comprometidas com fábricas de notícias para fins políticos e bla bla bla

Essas perguntinhas filosóficas não passam de brincadeirinhas intelectuais e dependendo da situação podem ser um saco. Essa falsa esperteza tem que ser morta com doses cavalares de ridicularização. Esse tipo de coisa é até bom para exercitar o cérebro mas não serve como instrumento prático para para encarar a vida e resolver problemas reais. Serve à inércia, isso sim. Se um prédio desabou, de qualquer lado que eu esteja verei os escombros.

E como hoje é primeiro de abril, vale lembrar que usar a relatividade como escudo é uma forma de  empanar a verdade e enaltecer a mentira.

Postar um comentário