.

.

1 de jun de 2013

Espermatozóide apaixonado

Acho que o espermatozoide se apaixona pelo óvulo. Deve começar aí a nossa empolgação com as paixões.

Ele é o primeiro, o único a chegar naquele"coraçãozão"...Aí sente-se um herói, um conquistador, único. Em seguida passa a ser um menino deslumbrado como todo apaixonado.  Porque foi engolido e isso é incrível! Quer ficar ali, não sair nunca mais. Quer ser esquecido pelo mundo  e não ser requisitado para nada que o afaste daquela doce ocupação.

Uma vez acolhido, tem tudo de que precisa. O mundo se resume àquela escuridão úmida e cheia de novidades. Aquele é o melhor lugar do mundo e não interessa descobrir se existe coisa melhor no universo. O que é "universo" mesmo?

Todo óvulo é único e solitário mas nem por isso deixa de ser O Eleito entre milhões de outros óvulos que jamais foram vistos mas que não seriam escolhidos de forma alguma. Assim é o amor, assim o amor tem que ser.

Deve ser emocionante a chegada. Míseros segundos que para ele, em seu mundinho reduzido, pareceram tantos anos de busca e espera.

Ah como somos dramáticos em nossas dores e conquistas!

O óvulo acolheu o espermatozoide, engoliu-o, canibalizou-o. E foram felizes, e se completaram por eternos nove meses. Eles são o Adão e Eva de cada um de nós.

Encontrar o amor é ser engolido por um óvulo gigante e nunca mais voltar a ser o mesmo.
Postar um comentário