.

.

14 de out de 2013

Bola de cristal

Atualmente muita gente já perdeu o direito de dizer desaforadamente "eu não tenho bola de cristal!"  Temos bola de cristal sim.  Não exatamente redonda.

Nosso querido tablet!  Elegante, precioso, fininho e de superfície tão lisa quanto a da bola.

O que uma bola de cristal faz que meu tablet não faz melhor? Só para começar: nunca vi bola de cristal mandar  documento para impressão. Nem arquivar nada.

Você deve lembrar de como era falho o software das bolas de cristal: as coisas apareciam enigmaticamente na "tela" de forma meio turva, estranha, depois de muita invocação. E o enigma ainda tinha que ser interpretado. De "revelação" pra "dica falsa" era um pulo.

As bolas travavam mais que Windows Explorer e não havia a colher de chá das janelas. As bruxas - ou ciganas, dependendo da idade - ficavam de plantão esperando alguma coisa mais esclarecedora aparecer. Claro que se você quiser pegar uma promoção da TAM vai passar por coisa parecida, mas o tablet nos possibilita acessar uma pesquisa enquanto bisbilhotamos outra coisa em outra aba. As bolas de cristal não tinham abas.

Em sua telinha iluminada podemos observar o mundo em tempo real. Não é mágico?  Podemos ver e nos deixar ver.

Mas há um item para o qual o tablet perde pontos para a bola de cristal:  no quesito "místério". (Ou não. A sua vó talvez lidasse melhor com a bola...)   De qualquer modo é verdade que havia todo um clima nebuloso ao redor da bola. No tablet é tudo muito curto e grosso. Até guris suados com média 4 no colégio dão conta do recado.

Seguindo um pouco mais com o raciocínio: vocês já viram como é incrível a quantidade de magias que viraram tecnologia? A quantidade de feitiço que virou ciência é assustadora.  Ou somos gênios ou merecemos, todos, a fogueira.

Estamos vivendo em uma época de grandes revelações. Nossos antepassados nos considerariam serem misteriosos. Lamento demais não ter a chance de me exibir para eles.  A tecnologia é algo tão empolgante que não deixa de ser uma afronta ainda termos que nos deparar com problemas como coleta de lixo e cocô de cachorro. Estamos na era das luzes, do poder da comunicação irrestrita! Posso ouvir vozes, ver sem estar lá, comunicar-me com alguem do outro lado do planeta, sondar. Hoje é possível entender que todo o mistério em torno de Joanna D'Arc tinha um nome: bluetooth.  Pobre Joanna D'Arc...  A velharada da época não entendeu o lance. Ela, por sua vez, não soube explicar. Deu no que deu: tostaram a menina.  Hoje ela posaria patricinha high tech, garota antenada e tal.  Aprenda de uma vez por todas: é muito mais seguro dizer que está recebendo mensagens por bluetooth do que atacar de "estou ouvindo vozes." Faltou malícia à garota.

...  Isso me leva a pensar que qualquer apresentador de telejornal mereceria a fogueira também, se fosse para sermos justos.

Outra conclusão: ateus, os profetas não eram malucos! apenas estavam de posse de uma tecnologia avançada demais para a época. Eles só tentaram explicar a experiência de uma maneira mais simples. aí vem vocês, desinformados, querem fazer com o nome deles, figuradamente, o mesmo que os religiosos fizeram com Joanna D'Arc - ao pé da letra.

Qual a diferença entre um tablete e uma bola de cristal?  A principal é que o tablet foi liberado pela igreja e pelos ateus. Depois de longas reuniões decidiram que não era questão de fé, então passa.

Estou até pensando em sugerir a criação de um tablet em forma de globo, só para provocar as mentes empedernidas. A dificuldade seria conciliar a ideia de "tablete" com a de bola. Mas confio na capacidade dos nossos cientistas. Se tiverem algum problema com coerência ou "idéias conflitantes" basta chamar algum político para contribuir com o projeto.


E por falar nisso...  Estou começando a achar muito suspeita aquela história de Moisés descendo do Monte Sinai com  duas "tábuas" contendo os mandamentos. Para ser uma aparição tão impressionante a ponto de passar para a história, com certeza não se tratava de Moisés descendo do monte com dois pedaços de pedra. Eram tablets sim! Outro indício: quando Moisés se aborreceu, jogou as "tábuas" no chão e elas não prestaram mais pra nada. Se fossem mesmo de pedra ainda dava para consertar.

Vai ver que o túnel do tempo sempre existiu. Adoro acreditar nisso!

Como podem notar, hoje tirei o dia para desvendar mistérios.



Postar um comentário