.

.

18 de dez de 2013

Porém


Gosto de mim bem sozinha
Gosto de mim bem sem ti
Disseram que a pele minha
É doce, marrom, sapoti.

De mim já disseram tanto
Que nem posso me importar
Quem falar decerto é santo
Não me deixo indignar.

Disseram que sou uma estranha
Que exige muito e mais
E mereço a dor tamanha
Que me lança contra o cais.

E sou um ente insaciável
Que oscila em seu querer
Tenho alma torpe, instável,
 E só penso em ter e ser.

Esquecem que sou boazinha
Quando deito perfumada
Nos lençóis azuis de lua;

Esquecem que sou tão solícita
Sei ser bem suave-explícita
E me quero toda nua!

Cristina Faraon
Postar um comentário