.

.

6 de fev de 2014

Adeus, dia!


É noite e estou cansada. Tentei ver um filme mas cochilei. Ainda assim reluto em me despedir do meu dia.  Hoje eu não queria dizer "adeus" para esse conjunto de 24 horas com seu colar de minutinhos enfeitados de segundos.

Meu "hoje" está me parecendo tão ímpar! Tenho certeza de que alguma coisa eu não soube, alguém viria mas não veio, algum segredo não me contaram mas aconteceu, uma cena eu perdi, uma boa sorte me sorriu pelas costas. Sensação de que não vi tudo que poderia.

Há dias em que a gente nem percebe o fim e até torce por ele, mas há outros em que isso incomoda. Hoje é como um filme que a gente sabe que está acabando mas sente que está faltando aquele fecho, sabe, aquela última e decisiva cena. Hoje está tudo com cara de filme francês. No final a gente olha para os lados e pergunta "e aí, acabou?"

Parece que se eu for dormir, perco a cereja do bolo. Mas não aguento: morro hoje, amanhã ressuscito. Tomara que guardem a minha cereja.
Postar um comentário