.

.

25 de mai de 2015

Amor penado



Todo amor deve cumprir a sua sina. A sina do amor é ACONTECER.

Abre-se a cortina... ele surge! Então permite que o constatemos ... e só. O que vem depois já é lucro.

Crime grave é abortar um amor. Amor abortado é uma desgraça porque vira fantasma, alma penada. Amor penado tem aquele choro fininho no meio da madrugada. É nessa hora que desfilam os filmes do que nunca aconteceu.  Na lua cheia é pior ainda.
Não é terrível deixar uma coisa tão bonita se transformar em assombração?

Amor penado incomoda na insônia, nos sonhos também, com seu incessante bimbalhar: "Seráaaa...? Seria...? Será...? Seria...?"

A saudade dói mas não assombra. Ter saudade, convenhamos, tem seu charme.  Quem tem saudade é um felizardo. Não passou pela vida em vão.

Nem todos tem um passado. Conheço gente que não tem do quê ter saudade. Isso sim é uma lástima. Há vidas tão "em linha reta", tão previsíveis, que dá dó. Conheço gente com 70 anos mas sem passado! Desconfio que tenham muitos amores abortados a lhes desafortunar a vida.

Saudade são quadros espalhados pelo corredor.  Uma casa sem quadros é uma casa nua.

Entrar em um relacionamento amoroso é como mergulhar. Não há perigo se você souber a hora de sair, de emergir. Pegando essa manha, não há risco. Mas mesmo sem manha e com dor, vale a pena deixar essa criança viver.

Prefiro os quadros do que os fantasmas.  Melhor saudades do que gemidos dos que não puderam nascer.


Postar um comentário