.

.

15 de mai de 2015

Estamos sós


A partir do momento em que começamos a abraçar a ideia de que não existe Bem nem Mal, casamos com o Mal que dizíamos não existir.

O Brasil é o país da permissividade. A permissividade, ao contrário do que os otários pensam, não cria um paraíso de liberdade, mas um inferno de abusos e injustiças.

Gosto de filosofia mas se você for um ignorante de mente tapada vai acabar sendo enredado facilmente pelo sofisma da vez. A verdadeira filosofia abre a mente. A falsa filosofia escraviza, porque manipula pessoas de poucas luzes e enquanto isso as faz acreditar que são muito espertas.

Se nada é realmente ruim nem realmente errado a não ser para o dono do rótulo, então podemos tudo e qualquer regra pode ser quebrada sem grandes problemas. E é precisamente por falta de parâmetros que temos juízes destituídos de senso de justiça e legisladores equivocados, que votam leis absurdas e contraditórias entre si.

Não foi o pensamento filosófico a respeito do Bem e do Mal que nos trouxe a esse poço de lama. O que nos trouxe aqui foram frases úteis, safadamente pinçadas das obras dos melhores pensadores, não para levar o povo a pensar, mas para levá-lo a se animalizar.  Por quê? Porque um bicho se satisfaz tão somente com comida e sexo e é capaz de ser barbaramente explorado enquanto ri no meio da lama.

Deus não está nos castigando. Nós somos castigados dia e noite pela Lei da Causa e Efeito. É ela a nossa algoz. Quando fazemos um mal e até o reiteramos por séculos, como esperar que esse mal não se volte contra nós como uma onda gigantesca?

O Brasil nunca levou a sério o problema da pobreza. Nunca cuidou dos seus pobres. Estivemos por séculos gestando um monstro assustador que está ganhando força e estatura para destruir seus pais. De fato o monstro não pediu para nascer. Mas a questão mais urgente não é se ele merece ou não merece uma jaula. A questão é: como fazer para nos livrarmos da ditadura desse Frankenstain que nós mesmos criamos? Podemos nos submeter aos seus caprichos e abusos, temerosos e envergonhados, sem moral alguma, como pais banana que viram seu delinquentezinho se transformar numa ameaça? Ou podemos nos insurgir contra ele e nos mortificarmos eternamente com o chicote moral da culpa porque, afinal, o monstro não pediu para nascer?

O país está um caos. Mas como querer movimentar a maioria do povo para se indignar contra a nossa decadência se essa maioria é faminta, ignorante e está acostumado a viver sem essas coisas que estão se acabando? Para eles tanto faz. O que eles tem a ver com a Petrobrás? Eles não tem carro, mal tem o dinheiro do ônibus e só consomem o básico do básico.  A energia elétrica está mais cara? Pois há anos eu "puxo gato". Pra mim não muda muita coisa. Não tenho ar-condicionado nem máquina de lavar de aspirador de pó nem chuveiro elétrico mesmo! Como desejar que eles se indignem pelo fim das empresas das quais jamais usufruíram os produtos e nas quais jamais seriam admitidos como trabalhadores?   Danem-se as montadoras!  Como acreditar que eles vão protestar por melhoria da educação se a péssima educação que tiveram não lhes proporcionou nenhuma mobilidade social? "Cada qual que cuide dos seus interesses!" .  Os professores ganham mal? Tão reclamando de barriga cheia! Pergunte quanto ganha um catador de lixo!  O Brasil pode se acabar. Eles vão demorar séculos para notar a diferença entre um país em crescimento e um país destruído porque eles já habitam o caos faz tempo.  Nada disso interfere. Milhões sem emprego? E daí? Não tenho emprego mesmo! Milhões sem casa? E daí? Já nasci sem a mínima chance de ter uma moradia decente. O problema é de vocês! Só quero continuar recebendo minha esmola." Estão roubando o dinheiro da Saúde e não há hospitais suficientes? E daí? Problema de vocês. Nasci num barraco mesmo. O mundo de vocês está se acabando? E eu com isso? Meu mundo é outro. Não vou me preocupar com um país que nunca se preocupou comigo

De fato o problema não é deles, é nosso. Estamos sós.







Postar um comentário