.

.

28 de out de 2015

Encantamento

Mas pensando bem, pra quê serve mesmo um artista?

A gente olha e só vê problemas. Gente morrendo em filas de hospitais, dentro dos hospitais, fora dos hospitais; crianças abandonadas, cidadãos acuados, doença, desemprego e mil formas de maldade. Precisamos fazer alguma coisa! Ai meu Deus o quê que eu faço? Precisamos entrar em guerra, precisamos combater! Olha a crise hídrica aí, gente! Pra quê serve um artista?

Enquanto a gente não decide o que fazer ou enquanto o que fizemos não deu resultado, bora ali ser feliz?

A gente só sabe mesmo pra que serve um artista quando, cansados da vida, nos encontramos com a arte "inútil" deles. Aí...ai, menina!

Já sorri para desconhecidos embrulhada num samba colorido. A felicidade parecia tanta que eu só queria rebolar e que o mundo parasse pra ver ou rebolasse junto. Num instante a raça humana era a coisa mais linda de Deus.   Aê gente! Vamos sobreviver! Sempre haverá música, gente linda e dentes brilhantes no salão.

Se eles - os artistas -  forem argumentar com a gente e quiserem, palavra por palavra, meter na nossa cabeça que "a vida é bela e o amor vale a pena" - ah! podemos matar rapidinho todo o romantismo bobo deles. É fácil metralhá-los com argumentos duros e rápidos, resumindo tudo em projéteis afiados. Temos argumentos, muitos argumentos. Temos estatísticas, temos boletos e dados da ONU. Temos a vida real. Não, eles não tem argumentos razoáveis que nos convençam de que isso aqui não está condenado e que vale a pena ter esperança. Eles que não me venham com palavras!

Mas claro que eles não vem com palavras! Eles vem com flautas, violinos, violão, batuque e ginga. Eles não argumentam: só mostram a vida na sua versão mais bonita e nos trazem pra dentro dela. Uma vez sequestrados, somos felizes! Felizes demais, pelo menos enquanto durar aquele êxtase. Se é breve? Que seja. Já vale.

Pois eu, moço, já cheguei num local triste demais e saí encantada, rindo para os urubus. Já cheguei pessimista e saí doce, doce. Já sorri para desconhecidos no meio da música e a pessoa sorriu de volta - ó que legal! - só porque entendeu o que eu estava sentindo e sentia igual. Estávamos todos conectados, sem disputas, bebendo da mesma água, só querendo ser felizes do jeito que Deus planejou. Enquanto estamos lá, tá valendo. Naquela hora é tudo lindo e isso basta. E se não bastar, depois a gente vê o que faz.

Quem nunca sorriu de felicidade à toa para um desconhecido à toa não sabe o que é encantamento. E é de encantamento que estou falando.  "Por isso não me pergunte por quem os artistas se desgastam. Eles se desgastam por ti."

Bem, é pra isso que serve um artista. Pra fazer nossa vida mais leve e nos mostrar o que não estávamos conseguindo enxergar.
Postar um comentário