.

.

24 de fev de 2017

Aqui do lado


Ele dorme aqui do lado e não sei um décimo dos seus pensamentos. Deus é pai.

É de bom tom acreditar em tudo que me diz, então acredito mesmo desconfiando.  Não seria bom ele saber que acredito nem seria útil ele saber que não, não engoli nada.  Toda mulher é uma esfinge.

Imagino bobagens assim mesmo, num exercício estranho de criatividade e masoquismo.  Às vezes é bom pensar no mal só pra não perder o foco do que seja "vida real".   Além do mais ninguém quer se sentir ingênua ou ser pega de surpresa. 

Tolice. Ninguém se previne de sustos. E ainda que esperemos mudanças de estação, jamais adivinharemos o rigor dos verões ou dos invernos. Nem a modorra do outono.  A vida precisa surpreender. 

Não... ele não me conta tudo. E deveria?  A verdade já está toda na nossa cabeça mas a gente a renega.  

Quem já disse ao filho tudo o que pensa? E pra mãe? Não, só uma alma dura e seca proclama suas verdades por aí. Quem ama, cala

O amor não é amor toda hora. Ninguém é dono do próprio desejo.  Se hoje  o coração quer fugir, semana que vem tudo entra nos eixos e ele reaprende a doçura de pertencer.  Ninguém precisa tomar parte nesses vendavais.  Cale-se.  A maior parte das nossas confissões murcham e viram piada  depois de pouco tempo. São provisórias, camaleônicas.  São esculturas de gelo. 

Nossas mais nobres guerras, lutamos sozinhos. Viver junto é saber viver sozinho. Só assim.

É preciso haver noites, é preciso haver silêncios, é preciso camadas de véus. Que ele fique em paz com seus segredos e que seu coração flutue seguro no mar ondeante da sua respiração.  Que seus olhos contemplem em paz suas mirações inconfessáveis longe do meu julgamento e que revirem-se de prazer debaixo das pálpebras.

É tarde. Daqui a pouco entrarei igualmente nesse mesmo estado de liberdade. E você talvez me olhará com o mesmo olhar curioso e perdoador de quem quer, mas teme saber. E, já cansado, vai me cobrir com esse mesmo lençol de considerações inócuas.
Postar um comentário