.

.

28 de jun de 2008

Considerações de uma mente desocupada

(...ou "Quatorze passos para o nada")

1- Por que não levanto e vou dar uma corridinha?

2- Por que eu deveria dar uma corridinha?

3- Porque fazer nada é bom mas incomoda e trabalhar é chato mas faz bem à consciência? Não dava pra ser o contrário?

4- A corridinha vai melhorar minha vida em quê?

5- Quem não dá corridinha é menos feliz do que eu?

6- Continuar aqui deitada vai me fazer algum mal?

7- Se eu nunca mais me exercitar, qual maldição terrível se abaterá sobre mim?

8- Eu ficaria muito deprimida se descobrisse que a minha versão sem-ginástica e sem-adoçante não seria ao final das contas nem um pouco melhor do que o que sou hoje? (Essa foi profunda...)

9- Ficar deitada pensando abobrinha e depois sentada escrevendo abobrinha diminui minha imagem perante meus semelhantes?

10 - Eu sou muito semelhante aos meus semelhantes?

11- Ficar deitada morgando é "curtir as férias"? Ou tô perdendo tempo?

12- Já fiz a minha boa ação do dia?

13 - Que raio! Escapei da corridinha e agora vem a cobrança da boa ação do dia? Só posso estar doente. Por que eu deveria fazer uma boa ação hoje? Vou confeccionar uma camiseta: "Aceito de bom grado as SUAS boas ações."

14 - Férias só do trabalho? Então não adianta... Bom mesmo é se disfarçar de outra pessoa e tirar férias de mim mesma.

Taí: finalmente uma boa idéia. Tá vendo o que é ócio criativo?

Cristina Faraon
Postar um comentário