.

.

27 de jun de 2008

Santo Sepulcro


Esses dias eu estava procurando uma foto da tal Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém. É o lugar onde, mais provavelmente, Jesus foi sepultado. Felizemte ele foi inquilino do tal imóvel por muito pouco tempo, mas mesmo assim o local ficou famoso. Tão famoso que resolveram estragar tudo.

Pois é, procurando no Google deparei-me com essa foto deprimente.

Caramba, ressurreição na minha mente remete a alegria, vitória, fé, otimismo, o bem vencendo o mal, luz, anjos, eu no Céu de vestido branco e os cabelos para sempre sob controle, claridade, alegria enfim. E olhe só! Olhe para essa cena modorrenta. Cheira a mofo, cheira a vela e a pano velho.

Pra piorar olhem o jeito desse homem. Olhem a alegria, a animação desse infeliz. Parece que todas as contas dele vencem hoje. Ou que ele está com uma crise de gota. E sofre de azia. E a mulher dele dorme de jeans.

Que desânimo, que desalento, que vontade de morrer! Quando sair daí ele vai ser jogar debaixo do trem. Ou debaixo do camelo, já que estamos no Oriente. É um suicida em potencial.

Dá vontade de dizer pro cara: "Meu amigo, vá para casa. Vá, vá! Jesus não vai se chatear não, fique frio. aliás faz tempo que Ele não vem aqui porque esse ambiente é muito deprê. E pára de olhar essas velas, que saco! Vela não responde prece, rapaz. Vá embora que esse ambiente está te deixando pra baixo, tá te broxando. É mais fácil você dar de cara com o Nosso Senhor durante um passeio no parque do que aqui. Vá pro bar com os amigos. Vá pra casa, Padilha!"

Que fotinho filha da mãe.

Afinal de contas pra quê construir uma igreja-tumba e estragar todo o cenário original? Que mania mais chata essa de construir um monstrengo encima de cada ponto hitórico!

Acho que os americanos deveriam tomar providências urgentes (calma!) no sentido de fazer um parque "Jerusalaico" (em Orlando) onde todos os ambientes originais sagrados do cristianismo fossem reconstituídos da forma mais fiel possível ao original. Como? Sei lá, não interessa. O importante é livrar os fiéis de sucumbir ao desânimo na tumba de Cristo. E os computadores estão aí para isso mesmo: cruzar dados históricos com geográficos, somar , dividir, multiplicar por milênios, subtrair erosão, cruzadas, império romano, turismo ao quadrado, igrejas... e chegar finalmente à "verdade" dos "fatos". Sim, uma parque tipo a Nova Jerusalém em Pernambuco, só que mais completa e com o padrão americano de produçao de sonhos.

A religião pode não ganhar nada e os investidores podem ficar ricos. O que importa? Fundamental é afugentar o sorumbático e livrar os cristãos de verem, diante de suas caras, a devoção virar "devo-cão."

Cristina Faraon
Postar um comentário