.

.

6 de mai de 2012

Pessoas sublinhadas



Acho incoerente quando pessoas diferentes da maioria ficam com raiva porque a maioria percebe que elas são diferentes da maioria.

Sinal de que elas não se aceitam, não aceitam a diferença, então decidem que a maioria tem que fingir  que não notou.

O máximo que se pode exigir da sociedade é igualdade jurídica, de direitos. O que passar disso é anti natural. Porque mesmo os diferentes se assustam vez por outra com os diferentes mais diferentes que eles.

Você pode agora me olhar com olhar desafiador e perguntar "o que é ser diferente para você?"  Eu responderia: "deixe de onda, você sabe. E se não sabe, você é diferente."

Os "diferentes" reclamam que os outros os discriminam, mas o que é "discriminar"? Discriminar é ressaltar, destacar algo no meio de um monte de outros. Discriminar não é rejeitar. Discriminar é "sublinhar" uma pessoa. Isso pode ser feito para o mal, é verdade, mas nem sempre. Isso pode ser apenas uma reação natural.

Um anão (só por exemplo) já nasceu "sublinhado". Uma pessoa alta demais também nasceu sublinhada e com high light e não há nada que se possa fazer a respeito. A natureza é assim! Eles não tem que brigar com o mundo! Se estamos em uma sala cheia de modelos magérrimas e entra uma mulher morbidamente obesa, como não olhar e notar a diferença? Se você está em uma sala de aula onde só existam pessoas negras, do tipo "azul", aí entra um branquelo parecendo o Gasparzinho, todo mundo tem que fingir que não viu? Ah, me perdoe!

Pior ainda são os que optam pela diferença: pintam o cabelo de azul, se enchem de piercing, tatuam até debaixo da unha e depois reclamam que todo mundo olha esquisito pra eles! Pô!  Quer passar despercebido? Seja comum. Odeia o comum? Então aguente os olhares. Não dá pra mudar a humanidade.

Quero ver se eu fosse num mega evento de rock usando terninho e scarpin. Será que não iriam me "discriminar"?
Postar um comentário