.

.

26 de out de 2012

Ato falho


Ato falho, para quem não sabe, é aquela mancada que a gente dá quando se confunde no que diz e acaba dizendo o que queria esconder. Ou acaba dizendo o que estava lá dentro da mente, no fundo no fundo. Ato falho é quando a pessoa mesma se trai e acada dando as outros uma informação ou uma pista que não gostaria de dar.

Sim, existem vários tipos de atos falhos e vou falar aqui de um que tem sido muito visto mas pouco comentado: é quando a pessoa insiste que se "orgulhar muito" de determinada coisa.

(Ressalva: sem generalizações. Não acho que isso se aplique a tudo nem a todos.)

Quando vejo alguém que se "orgulha demais", geralmente esse alguém está se "orgulhando" de algo que não está muito bem resolvido dentro de si.  Parece-me que a pessoa está tentando SE CONVENCER de que aquilo não é tão ruim assim quanto ela acha que dizem. Vamos aos exemplos práticos?

De vez em quando alguém sai propalando que se orgulha muito de ser cristão e que não se envergonha disso. "Não se envergonha disso?" Como assim?! Dentro da minha cabeça é absurdo alguém se envergonhar de ser cristão - mas para quem propala seu orgulho talvez não seja algo tão absurdo assim...

Para mim esse tipo de afirmativa não passa de um ato falho de quem vive ouvindo críticas à fé cristã, já foi desprezado ou ridicularizado, não soube responder alguma provocação e no fundo no fundo se sentiu diminuído. Para lutar INTERIORMENTE contra isso sai dizendo que "não se envergonha de ser cristão".  Desconfio de que só um problema interior justifica dizer uma coisa dessa.

O Apóstolo Paulo disse que não se envergonhada do Evangelho de Cristo. Disse isso porque um judeu se tornar cristão significava uma espécie de traição à religião, à família, aos antepassados e a tudo que ele estudara desde a infância até a idade adulta. Não acredito que o contexto seja o mesmo do ufanismo de hoje em dia.

Ninguém sai por aí dizendo que "sou juiz e não me envergonho disso". Se a pessoa divulgar que assume o fato de ser juiz e não sente um pingo de vergonha do fato, o povo vai estranhar. Qual motivo uma pessoa teria para se envergonhar de ser juiz? Ou de ser médico? Entendeu? Ato falho.

Outra situação de confissão involuntária: "Tenho orgulho de ser gordinho". Agora me dê um bom motivo para alguém ter orgulho de ser gordo. Você pode ser indiferente ao fato de ser gordo. Aí tudo bem, faz sentido e eu entendo. Está se sentindo bem na propria pele e pronto. Acho perfeitamente compreensível. Mas sair por aí apregoando que se "orgulha" disso, aí fica  meio suspeito: parece que você está querendo se convencer de alguma coisa...

Acho que só faz sentido eu me orgulhar de algo que e penei muito para conseguir alcançar ou desempenhar. Dessa forma, ter orgulho de ser branco, de ser negro de ser alto ou baixo é um orgulho besta porque você não se esforçou para alcançar aquilo, não lhe custou nada. ao contrário, simplesmente aconteceu!  Então orgulho de quê?

Além do mais, se a pessoa se orgulhasse mesmo de seu peso, jamais usaria o eufemismo "gordinho"; diria logo que tem orgulho de ser GORDO, e daí?  Quando uma pessoa chega a divulgar que sente "orgulho de ser gordinha", já está confessando algo. Desconfio logo de que secretamente ela não aceita aquilo mas cansou de lutar contra a balança e agora está na fase de se convencer de que se sente ótima. Porque se se sentisse ótima mesmo isso seria tão natural que ela não sentiria necessidade alguma de se tornar militante.

E por aí vai. Orgulho de ser negro, de ser gay, de ser crente, índio, de ser isso ou aquilo, geralmente não passa de "orgulho de complexado".

Calma! Eu disse geralmente, não disse sempre!

Um conselho: melhor pensar dez vezes antes de sair por aí batendo no peito sobre ter orgulho ou não ter vergonha de ser isso ou aquilo; você pode estar fazendo uma confissão às avessas e colocando na vitrine suas maiores fragilidades.









Postar um comentário