.

.

26 de set de 2014

Passeio dos olhos

Sinto saudade de luas e marés
Saudade das pedras
Que entravam em minha sandália
De menina-moça.
Lembro com carinho
Do creme de cabelo que eu não podia comprar
Do caderno popular
Do vestido surrado.

Lembro ainda, e muito mais,
Do amor imenso
E de eu afundar-me nele
Como quem cai em um abismo de luz.
Sinto saudade daquele amor
Imenso, fundo, grávido,
Tudo era uma selva
Cheia de possibilidades

A felicidade não se anuncia
Só avisa quando já foi

Perdoar por amor
É uma coisa iluminada
E curar essas feridas é melhor
Que acalentar o nada

Só o amor faz feliz
Por mais infeliz que ele nos faça
E isso é tão estranho quanto verdadeiro.

Descobri isso dia desses
Baixando os olhos do céu
Até dar de encontro com as crianças
E elevando-os de novo
Até o pasto das estrelas.

Só o amor insano
Nos cura das nossas insanidades.

Tenho saudade do amor
E aqui despeço-me de mim
Até o dia que Deus quiser.
Postar um comentário