.

.

30 de nov de 2015

O pior

Sou tão péssima mas tão péssima  que as vezes me flagro mais comovida com a dor do bonito do que  com a dor do feio.

Soube hoje do caso de uma cantora famosa em profundo estado de depressão.  Abriu o coração nas redes sociais, mostrou a própria fragilidade e sentimento de abandono e tentou suicídio.  Depois fui ao YouTube ve-la cantando e me deixei levar por aqueles lindos, imensos olhos azuis ,  aquela pele lisa sem mácula e sua boca de princesinha. Olhos de gata, boca perfeita e inocente,  de quem pede beijo sem notar que está pedindo beijo.  Ela era linda, e sofria. Fiquei comovida. A beleza ajuda na comoção.

Tenho a dizer em minha defesa que não há provas conclusivas de que eu não me condoeria da mesma forma se ela fosse feia.

Tambem em minha defesa jogo no seu colo a seguinte questao: e como fica o  coeficiente de maldade naquelas pessoas que, despeitadas da beleza alheia, ficam indiferentes e quase alegres com a dor dos bonitos? E ainda jogam na cara dos outros que "se fosse feio e pobre você nem ligaria! Pois eu tô me lixando!"

Sim, como fica esse tipo de gente pra você?  Acho que são piores. E tem muita gente assim.

Postar um comentário