.

.

7 de nov de 2015

Todos nós FOMO

É incrível a capacidade que alguns desocupados estudiosos tem de classificar e rotular  tudo ao redor. Nosso jeito de ser e de sentir a vida está catalogado e rotulado.

Tudo agora tem nome. Tem nome para pessoas que não ligam pra nada, para pessoas que ligam pra tudo, pra quem tem medo da morte, para quem não gosta de açúcar, para quem adora pentear os cabelos, para quem não escova os dentes...  Pegam qualquer coisa comum, colocam numa sacola e rotulam.  Isso é uma droga. Toda mania é neurose, todo medo é fobia, toda fixação é maluquice.  Nada pior do que isso para fazer a gente se sentir comum, previsível e reles. Ninguém mais tem o direito de se sentir especial, diferente, único.

Estou me lembrando daquele personagenzinho do filme Toy Story, o  buzz lightyear. Ele era um brinquedo mas não sabia disso. Jurava que era de verdade. Ele se levava muito a sério e sofreu um choque terrível quando viu, numa prateleira de shopping, centenas e centenas de caixas com outros bonecos iguaizinhos a ele. Que dor! Que desapontamento! Que crise de identidade!  Me sinto assim às vezes, quando insistem em me classificar.

A última "doença" agora tem nome estranho e sintoma comum: é a FOMO. Não sabe o que é? Pois vou te explicar pela boca da revista Época:

"Você está sentado em casa em uma sexta-feira à noite. Decidiu não sair. Vai ver um filme, ler um livro - talvez não fazer nada. E então você fica ansioso: e se algum amigo estiver fazendo alguma coisa muito legal? Outro cenário: você está em uma festa e mesmo assim a ansiedade chega: e se estiver rolando uma festa melhor? Ou você nem estava pensando em nada, mas vê no Twitter que vários conhecidos estão no mesmo lugar e, mais uma vez, a ansiedade vem. A angústia de que há sempre algo mais interessante para se fazer já ganhou um nome: fomo, sigla em inglês para fear of missing out, ou medo de perder alguma coisa."

Grandes coisas. Descobri que todos nós somos FOMO. Eu fomo, tu fomas, ele foma. Nós fomamos.

Deve haver uma classificação para essa gente que tem mania de classificar todo mundo. Isso sim é que deve ser uma nova doença da nossa época.
Postar um comentário