.

.

23 de abr de 2016

"Gaviotas"


Ah, as gaviotas...

Não me corrija! As crianças é que sabem dar nomes corretos às coisas. Quando uma criança diz que é, é porque é.

As palavras segundo as crianças encaixam melhor em nossas bocas assim como uma dentadura feita sob medida. Corrigi-las é como forçar uma pessoa a usar a dentadura do colega de trabalho. Com o tempo a gente pode acostumar, mas não deixa de ser anti natural.

Sempre achei que as "gaviotas" voavam melhor que as gaivotas. As gaivotas voam meio torto, pesado. Como é lindo ver uma criança enchendo a boca e apontando com o dedinho "olha pai! Uma gaviota!" Nem se compara com "olha filho, uma gaivota!"

O mesmo eu digo das "salchichas": muito mais saborosas e suculentas do que as industrializadas e maléficas salsichas, cheias de corante.

E as "táubas"? Que barato! A gente podia fazer mil brincadeiras com elas! Inventar prancha, "esqueite", tudo! Já as tábuas não, são um perigo! Cheias de farpa, prego enferrujado sempre à espreita... Mantenham seus filhos longe das tábuas!

E na minha opinião todos os "poblemas" são contornáveis. Feliz de quem tem poblema. As crianças sabem disso no fundo de seus coraçõeszinhos inocentes. Por que corrigir-lhes e encher-lhes as mentes de pessimismo? Um adulto com "poblema" é um adulto otimista, não um ignorante. Enquanto ele tiver "poblemas" estará a salvo. O proplema não são os "poblemas" mas os problemas, entende?

E aqui vai uma dica: nunca dê refrigerante aos seus filhos. Faz mal. Mas "fizelante" está totalmente liberado e ainda desce redondo. A molecada sabe.
Postar um comentário