.

.

28 de jun de 2016

Aborto - para sermos coerentes

Acho que quem é a favor do aborto deve ser também a favor da pena de morte. Se quiser ser coerente e não se contradizer tem que carregar os dois pacotes. 

Pense bem: se um bebê, que nunca fez mal a ninguém, pode morrer para não incomodar, quanto mais  um bandido,  um assassino!

Mesmo que não seja "para não incomodar" , ainda assim o assassinato de um bebê justifica o de um bandido. O estado também não consegue dar assistência aos cidadãos de bem, por que deveria sustentar bandido? Você não consegue pagar a prestação do carro, porque sustentaria uma criança?

Não estou defendendo a pena de morte.  Nem o aborto. Só estou dizendo que esses assuntos estão  inapelavelmente ligados.

O bandido é produto do meio e não teve chance na vida? Ok. O bebê também é produto do meio e também  não lhe deram chance de mostrar todo o seu potencial à sociedade.  O bebê é produto do meio sim. Ele é  resultado direto do louvor ao sexo irresponsavel.

A mãe não pode ser obrigada a aturar? E por que nós seríamos obrigados a aturar bandido? É um mala que não nos interessa, tanto quanto o bebê.  Não é assim?

O bandido não tem culpa? Nem o bebê.  Dane-se o bebê?  Então dane-se o bandido também. Não dá pra separar.

"Meu corpo, minhas regras".
"Meu país,  minhas regras". O que manda não é a moralidade mas o poder. Se está me incomodando e posso matar, mato.

Lembrei daquelas tribos indígenas que matam os bebês defeituosos. Vai ver que eles estão certos. Se vai atrasar minha vida, por que não detonar?  Se esta no útero ou se já saiu, isso é só um detalhe.

Nossa! Já notou como uma coisa puxa outra?

Postar um comentário